segunda-feira, 11 de julho de 2005

Pintinho Amarelinho

O dia começou bem... domingo, dia em que todos os seres humanos têm direito a um pouco mais de preguiça, por isso levantei depois do meio-dia.

Lembrei "Deus-sabe-por-que" que a re-matrícula da faculdade via internet começava hoje, então resolvi fazer logo - antes que sobrassem apenas horários toscos.

Uma vez na internet, sempre na internet. Você acaba fazendo coisas inúteis que naquele momento parecem indispensáveis. Visita todos os blogs - anotação mental: tenho que atualizar o meu - lê e-mails, joga conversa fora no Messenger, fica fuçando sites com informações irrelevantes, enfim qualquer coisa que te mantenha ocupada e, principalmente, conectada.

De repente ouço uma voz bastante familiar reclamando... minha mãe. "Eu só posso tá ficando velha mesmo... Comprei milhares de latas de leite condensado - nem gosto de doce - e agora eu preciso de creme de leite pra fazer comida e cadê?" Pode deixar que eu vou lá comprar, não tô fazendo nada importante mesmo (é, me dei conta da realidade)... o que mais você vai precisar?

Enrolei e prendi de qualquer jeito o cabelo e lá fui eu. Ao ouvir a porta de casa batendo atrás de mim olhei pra baixo e me dei conta: - você vai assim? Com a roupa que dormiu? Ah... quem quiser que se imcomode.

E muitas pessoas se incomodaram, afinal era a visão do primeiro estágio do inferno. Parecia um "pintinho amarelinho". Chinelo rosa florido, calça branca de moleton (onde caberia tranquilamente outra eu), casaco amarelo ovo também de moleton.
Não tinha quem não olhasse. E eu ria por dentro de mim mesma, mas não tava nem aí. Andava calmamente o percurso casa-mercado-casa.
Afinal, quem nunca teve seu momento "que se dane!", onde a tosqueira ocupa o lugar da vaidade e você se diverte com reação das pessoas?
Você nunca teve???
Não sabe o que tá perdendo...rs - Eu recomendo!!!

5 comentários:

Normanda Asterixiana disse...

Adoro fazer isso, principalmente aqui na Jujulândia. O poder de alterar a imagem que as pessoas tem de ti é algo que também me fascina.=*

Bruno disse...

Pior é sair de casa de chinelo, bermuda esportiva da Adidas e camisa branca da Levi's com a qual você acabara de acordar sábado de manhã, às 11:00, depois de ir dormir às sete da manhã, logo após um dia chuvoso a caminho da primeira loja de conveniência que tenha comida e pisar em diversas poças d'água no caminho. Chega-se na bendita loja, com ar no máximo e pés sujos e molhados para óbviamente não achar nada de bom para comer. Na volta pra casa, com uma garrafa de Matte Leão natural e pipoca de microondas passa um bendito 157 e te molha quase por completo no lado esquerdo do corpo.

É óbvio que passei por isso no último sábado?

Isis disse...

To aqui "realizando" e rindo muito..."que ventre pariu tão feio parto?".Desculpa, mas é essa frase q me vem à cabeça quando vejo algo estranho.E, miga, vc deveria estar estranha.Mas dane-se, inclusive eu, pq também já tive a sensação maravilhosa de ser um ser estranho. Concordo, todos causam estranhamento um dia, e , no fundo, ninguém tá nem aí.
Bjos procê (continuo rindo...rs)

Ivana disse...

Realmente foi um fato q merecia o devido destaque.E digo isso embasada em minha experiência vital...não só uso(de vez enqdo)umas roupas estranhas como cometo atos estranhos também,do tipo de me empolgar em plena Lagoa e correr no mesmo lugar sobre a sinalização de "Corra aqui" da ciclovia compartilhada...Viu,Bela? é normal ser um pouco estranho e é mto divertido.
Bjundas,Pintinho Amarelinho.rsrsrs

thiago disse...

esses momentos são os melhores quando se andana rua. Principalmente quando se é cheio de vergonha...