quarta-feira, 29 de junho de 2005

Xadrez

Depois de declarado o fim da guerra por rendição desta que vos fala, minha mãe sentou pra conversar comigo com um tom de voz que nunca havia usado antes...
Nós sempre batemos de frente. Mesmo que na maior parte do tempo a guerra fosse fria. Sempre tivemos opniões opostas e isso acabou se transformando num abismo enorme entre nós. Admito que não ajudo muito. Na verdade não ajudo nada. Não tenho estômago pra longas discussões e nem paciência pra ouvir sermões e não poder falar nada, então simplesmente não toco em determinados assuntos pra não renderem maiores aborrecimentos.
Acabei de passar no blog da Normanda. Que se dane se acharem infantil a pobre recém adulta choramingado a respeito de probleminhas de convivência com a mamãe num blog.
Mas queria dexar registrado pra mim, pra que não esqueça, que ela deu mais passo. Que a minha rendição não foi em vão. E que o próximo movimento deve ser meu.

5 comentários:

Normanda Asterixiana disse...

Olha, taí um jogo que vale a pena. Sempre tive problemas com minha mãe também, opiniões apaixonadas e extremadas. Mas cada passo que damos uma em direção à outra, sempre vale a pena.
E obrigada pelo apoio. =)

Rafael da Rua Paper disse...

Duas palavras: Check Shot!

Nadine disse...

Espero que as duas saiam vencedoras...

Isis disse...

Bom, Bela, espero o mesmo.
É isso aí, um movimento de cada vez.E cada um bem pensado.

Besitos.

Aline Bessa disse...

Mais uma coisa em comum...Conheço bem essa palavra ABISMO...Por sinal, me deparo com ela desde q me entendo como gente...De cara percebi q a vida nd tinha haver com a propaganda harmoniosa da "família doriana"...Estou meio q na contra-mão do seu momento...Pq no meu caso, estou cansada d+, para dá mais algum passo...Estou fazendo justamente o contrário...Retirando suavemene minhas pegadas...Tentando ser invisível...Mas tenho a consciência de q fiz além do q podia, passei por cima de mim pelo amor incondicional de mãe, q tantos falam e eu desconheço...E descobri, espero q há tempo, q passar por cima de si, não é uma boa coisa...Se isso era um resgate, deixarei para a próxima encarnação...Ou na próxima, além de ter a missão de resgatar a minha relação com ela, terei tb q me resgatar...E se não dei conta de uma, q dirá duas...Portanto, embora derrotada, consciênte e certa das minhas dignas tentativas...Agora, tento olhar para o futuro, reconstruindo credibilidades q me arrancaram e sonhando com um espaço meu, onde eu possa ser exatamente como sou...E construir não uma família doriana, pq para ser uma família é preciso mais de um membro...Mas no mínimo, construir um lar doriana. Um beijo no seu coração e enquanto vc tiver força, vale sempre a pena dá um...dois...Quantos passos forem precisos...A sensação de ter feito a sua parte, já suaviza, o silêncio das perguntas q ainda não tivemos resposta.